SOBRE OS FATORES DA COERÊNCIA.

   ELEMENTOS LINGUÍSTICOS

Mesmo que não haja
uma apreensão do sentido do texto tomando por base as palavras que as compõe,
e, além disso, toda a estruturação sintática, não se pode discutir a
importância dos elementos linguísticos do texto para o estabelecimento da
coerência. Ou seja, todo o contexto linguístico – ou co-texto –
vai contribuir de maneira ativa na construção da coerência.

CONHECIMENTO DE
MUNDO


Desempenha o papel
decisivo no estabelecimento da coerência. Se o texto falar de coisas que não
conhecemos, será difícil entender o sentido, e nos parecerá incoerente.
Adquirimos esse
conhecimento na medida em que vivemos, através das experiências diárias,
tomando percepções e assim, desenvolver a capacidade de entender diversos
assuntos, armazenando os conhecimentos em blocos; que se denominam modelos
cognitivos
. Esses tipos de modelos cognitivos, podem ser distribuídos em:

Frames: conjunto de conhecimentos armazenados na memória debaixo de um
certo “rótulo”, sem que haja ordenação entre ele; ex: Casamento (
grinalda, flores, vestido, convidados)

Esquemas: conjunto de conhecimento armazenados em sequência temporal, ou causal;
ex: como instalar um programa operacional no computador.

Planos: conjunto de conhecimentos sobre como agir para atingir determinado
objetivo; por exemplo, como vencer uma partida de xadrez;

Scrins: conjunto de conhecimentos sobre modos de agir altamente estereotipados
em dada cultura, inclusive em termos de linguagem; por exemplo; os rituais
religiosos (batismo, casamento, missa).

CONHECIMENTO
COMPARTILHADO


Através do
armazenamento de conhecimentos na memória feito a partir das experiências
pessoais, torna-se impossível que duas pessoas partilhem do mesmo conhecimento
igualmente.
Os elementos textuais
que remetem ao conhecimento partilhado entre os interlocutores constituem a
informação “velha” ou dada, ao passo que tudo aquilo que for
introduzido a partir dela constituirá a informação nova trazida pelo texto.
Para que o texto seja coerente é preciso então que haja um equilíbrio entre
informação dada e a informação nova. Assim como a Inferência é
a operação no qual usamos o conhecimento de mundo, o receptor faz de acordo com
o texto, uma relação não explícita entre os dois elementos (frases ou trechos),
buscando compreender e interpretar. Praticamente todos os textos que lemos ou
vimos, exigem que façamos essa série de inferências para podermos
compreendê-los integralmente.

Sobre a Autora


Rate this post
Compartilhe este post