Resenha: Sentido de Semântica, (do livro de Márcia Cançado)

 
De acordo com Cançado (2008, p.15):

a linguística assume que o falante de qual língua possui diferentes tipos de conhecimento em sua gramática: o vocabulário adquirido, como pronunciar as palavras, como construir as palavras, como construir as sentenças e como entender o significado das palavras e das sentenças. Refletindo essa divisão, a descrição linguística tem diferentes níveis de análise: o léxico, que é o conjunto de palavras de uma língua; a fonologia, que é o estudo dos sons de uma língua e de como esses sons se combinam para formar as palavras; a morfologia, que é o estudo das construções das palavras; a sintaxe, que é o estudo de como as palavras podem ser combinadas em sentenças; e a semântica, que é o estudo do significado das palavras e das sentenças.

   Esclarecendo este sentido, temos a Semântica como o estudo do significado das línguas. Estudo este que a autora encontra como uma das habilidades linguistas do ser humano. Todo este conhecimento da língua está inserida na gramática, que por sua vez, não é única em si. Há todo um vocabulário, uma forma de construção das palavras, sentenças e por consequência, o entendimento deste significado. Somando tudo, tem-se dentro da semântica: o léxico, a fonologia, morfologia e sintaxe; todas estas divisões são áreas amplas que dá ao homem um conceito muito maior sobre o que ele fala, desenvolvendo melhor sua capacidade de entendimento. Para Cançado (2008), a Semântica é a base da “cadeia linguística” que fornece o entendimento e conceito para àqueles que tem interesse em adentrar à este universo, que pessoas de determinada língua estão.
   Quanto à natureza do significado, conforme Cançado (2008, p. 23) “existe uma divisão. Para alguns linguistas, o significado é associado a uma noção de referência, ou seja, da ligação entre as expressões linguísticas e o mundo; para outros, o significado está associado a uma representação mental”. Partindo deste conceito de significado adotado pelas abordagens referenciais e mentalistas, a autora nada mais quis dizer que todo o significado referencial é qualquer objeto que toda e qualquer pessoa tenha conhecimento. Ou seja, referencial é haver apenas ‘o’ significado, para quem quer que seja, independente do local onde a pessoa se encontra. Já o significado mentalista é o que os linguistas defendem por haver o processo de comunicação mútua, um esclarecimento múltiplo, sem que tenha apenas uma definição. Já que o entendimento sobre tal nome/ ou objeto pode não ser idêntico em todos os locais. O significado é dado não somente por uma pessoa, mas por várias, partilhando as representações, esse é o grande sucesso da comunicação.
Referências:
Cançado, Márcia. Manual de Semântica, 2008.

Sobre a Autora

Rate this post
Compartilhe este post