As estrofes no Cordel

Arte: Desmazelas
A Literatura de Cordel é constituída por uma
narrativa poética popular, escrita com métrica e rimas
soantes
 (perfeitas ou quase perfeitas).
Na estrutura do cordel, temos os versos.
Versos são as linhas que constituem o poema. Cada
linha é um verso. Cada verso forma uma estrofe.
Estrofe são os grupos de versos, denotando sentido completo. No Cordel
existem alguns vários de estrofes, e dentre as mais utilizadas temos:
Quadra: (que está praticamente em desuso)
possui quatro versos de sete sílabas.
O sabonete cheiroso,
Bonitinho e perfumado;
Ele ouviu alguns rumores
Que o deixou encabulado. (A briga do
sabão com o sabonete, Izaías Gomes de Assis)
Curiosidade: a quadra iniciou o cordel, mas hoje foi substituída principalmente
pela sextilha. No entanto, ainda é muito utilizada em outros estilos de poesia.
  
Sextilha: É a mais conhecida. Estrofe de seis versos e de
sete sílabas. Apresentam o segundo, o quarto e o sexto rimados.
Quem inventou esse “S”
Com que se escreve saudade
Foi o mesmo que inventou
O “F” da falsidade
E o mesmo que fez o “I”
Da minha infelicidade 
Setilhas:
As setilhas oferecem uma beleza rítmica ao declamador. Sendo que os grandes
poetas não conseguiram fugir à tentação de produzi-las. Veja a estrofe do poema de José Pacheco da Rocha, 1890 – 1954 –  A CHEGADA DE LAMPIÃO NO
INFERNO:
Vamos tratar da chegada
quando Lampião bateu
um moleque ainda moço
no portão apareceu.
– Quem é você, Cavalheiro –
– Moleque, sou cangaceiro –
Lampião lhe respondeu.
**** Excelente para ser cantada nas reuniões festivas ou nas feiras, esta
modalidade é, ainda hoje, muito usada pelos cordelistas.
Décimas
As
décimas, dez versos de sete sílabas, são desde sua criação no limiar do nosso
século, as mais usadas pelos poetas de bancada e pelos repentistas. Excelentes
para glosar motes, esta modalidade só perde para as sextilhas, especialmente
escolhidas para narrativas de longo fôlego. 
Estou eu aqui distante
Nessa cidade perdida
Da minha terra querida
Do sertão que eu sou amante
Daquele sol escaldante
Que castiga e racha o chão
Lá deixei meu  coração
Quando menino eu parti
Pois foi onde eu  nasci
Sou de lá, sou do sertão.
 Lá tinha muita alegria
Nos anos de safra boa
Se via em qualquer pessoa
Bela face e simpatia
Quer de noite, quer de dia
No inverno ou no verão
Aqui? Isso não tem, não
Não dá nem pra comparar
Como o meu belo lugar
Que deixei lá no sertão.
O que é Redondilha?
·       Antigamente, quadra de versos de sete sílabas, na qual rimava o primeiro
com o quarto e o segundo com o terceiro, seguindo o esquema ABBA.
    Hoje, verso de cinco ou de sete sílabas, respectivamente redondilha
menor e redondilha maior.

Sobre a Autora




var addthis_config = {“data_track_addressbar”:true};

Rate this post
Compartilhe este post