RESENHA: Amor de Maria (Contos Amazônicos – Inglês de Sousa)

Estamos no 3° conto
do livro de Inglês de Sousa. Leia as demais resenhas clicando nos links abaixo:

·                   
Resenha: O Voluntário
·                   
Resenha: A Feiticeira
Em O Amor de Maria,
temos a história de uma menina muito afamada de Vila Bela. Tinha tudo para ter
um futuro glorioso, cheio de riqueza e perspicácia, cobiçada por qualquer
pretendente de valor de sua vila, no entanto, houve uma tragédia em sua vida
que a alçou às mentes dos populares ganhando ares de histórias fatídicas da
região.
Na descrição da personagem principal, temos o seguinte trecho:

[…] era a mais gentil rapariga
de Vila Bela! Era uma donzela de dezoito anos, alta e robusta, de tez morena,
de olhos negros – negros, meu Deus! – , de cabelos azulados como asas de anum!
Era impossível ver aquele narizinho bem feito, aquela mimosa boca, úmida e
rubra, parecendo feita de polpa de melancia, as mãozinhas de princesa e os pés
de Borralheira, impossível ver aquelas perfeições todas, sem ficar de queixo no
chão, encantado e seduzido!”

Mariquinha, era assim
que todos a chamavam. Morava em Vila Bela, que ” era antes uma povoação do
que uma vila. Três pequenas ruas em que as casas se distanciavam dez, vinte e
mais braças umas das outras, estendem-se, frente para o rio, sobre uma pequena
colina, formando todo o povoado.”
A personagem
principal como sabemos, era muito estimada por todos e recebia pedidos de
casamento aos montes, sempre recusava-os. Com a chegada do filho do capitão
Amâncio de Miranda em 1866, todas as moças do povoado ficaram alvoroçadas. Era
um rapaz alto, louro, e que havia estudado no Maranhão e retornou de seu
emprego no Pará, Lourenço, era o seu nome.
Como de costume, por
ser filho de um Capitão, sua estadia ali se tornou motivo de orgulho para o
pai, e os demais populantes tinham que fazer elogios à ele. O rapaz era um Dom
Juan, e era habitual seu, conhecer todas as moças pelos lugares em que
passava. 
Mariquinha
apaixonou-se por ele, mas este estava a relacionar-se com uma afilhada de outro
Senhor conhecido – o que a deixava fatigada pela “inconstância de
Lourenço”
. Ela, doce, inocente, não conseguia perceber o real caráter do
rapaz. Ficou doente de amor, e evitava encontrá-lo nos eventos sociais. Um dia
porém, ele declarou-se para ela, mas tornou a ser visto na companhia de outra
moça. Mariquinha então aturdida pelo sentimento em seu peito, a dor que a
consumia, fez com que sua ama, Margarida, viu uma oportunidade, e contou à ela
sobre um tajá, um chá, que segundo ela, era um remédio que não falhava! O qual
moças usavam para prender seus amados, fazendo-os que não olhassem para nenhuma
outra mulher. 
Na tentativa de
conquistar Lourenço apenas para ela, Mariquinha usou o tajá e colocou-o dentro
do café que foi servido ao rapaz. É nesse momento que temos o desfecho do
conto. De início foi dito que a jovem Mariquinha tinha um futuro belo, mas que
um acontecimento o transformou num relato repassado por gerações. É isso que o
autor nos traz em O Amor de Maria. Deixo a semente da curiosidade instaurada na
mente dos vossos leitores, para mais detalhes sobre o que de fato aconteceu: Leiam o conto!! 
Gostou dessa resenha?
Então ajude a compartilhar! Clique em reenviar aqui embaixo, e curta a Fan Page do blog no Facebook.
Até o próximo conto,
prometo que posto ele ainda esta semana!

Sobre a Autora


Rate this post
Compartilhe este post