[Resumo de Filmes] A Missão – 1986

Temos hoje, a estreia de mais uma sessão aqui no Desmazelas. Intitulada “Resumo de Filmes”, imagino que já esteja bem claro o objetivo,
não é? Bom, a ideia é trazer filmes voltados para o campo literário/poético,
brasileiro e/ou psicológicos e históricos que façam referências as nossas
raízes. Então, para o primeiro filme, trago-lhes A Missão (1986), um filme
explicativo e questionador que remonta acontecimentos no período em que a
América do Sul era a joia rara para os países Norte-americanos e
Europeus. Boa Leitura!
Cena do filme: A Missão
A MISSÃO


Ano: 1986 
Direção: Roland
Joffé – Roteirista: Robert Bolt
Elenco: Robert De Niro, Jeremy Irons, Liam Neeson, Aidan Quinn, Ray McAnally

No período em
que os Espanhóis vieram em busca de domínio de regiões onde havia metais
preciosos e impor o monopólio, ficou claro o contraste da sociedade na época,
pois parte do clero se opunha à exploração do indígena. Entretanto, as poucas
leis de proteção ao nativo sempre foram desrespeitadas.

Os jesuítas eram
os que orientavam o trabalho para a formação de “redução”, onde viviam milhares
de indígenas na América do Sul, que eram alfabetizados e catequizados. Lá eles
se dedicavam a agricultura, pecuária e ao artesanato. Eles vieram da Europa com
o intuito de reconquistar o terreno perdido para o protestantismo que estava em
ascensão. Portanto, eles decidiram impedir isso através da conversão das “almas
não convertidas” dos índios. A partir daí se deu o conflito entre os jesuítas e
os colonos visto no filme, pois os colonos viam os índios apenas como
“mão-de-obra”, e estavam dispostos a escravizá-los nas lavouras de cana. O
projeto dos jesuítas era transformar os índios em bons cristãos e fieis súditos
do rei de Portugal.
Assim, foram
alguns se aproximando dos nativos para tentar conquista-los e ganhar sua
confiança por meio da música, para eles, essa era a forma mais racional e menos
predatória. Com o “bom andamento” das missões que ficavam localizadas no
território do Paraguai e um trecho no Uruguai com a Argentina, os indígenas
tinham certa proteção da violência dos brancos, mas com isso, acabaram por ser
dominados culturalmente, o que facilitou a submissão pacífica à colonização europeia.

O filme mostra o
processo da subordinação aos jesuítas, pelo fato de terem neles confiança e
respeito. A trilha sonora do filme é instrumental e nos passa uma emoção
enfatizada juntamente com a leveza.  

Embora a missão
estivesse indo como havia sido determinado, os colonos iniciaram uma rebelião,
e efetuaram o genocídio indígena, que matou milhares de nativos por causa da
negação deles em se entregar às mãos do ‘homem branco’. Ao fim deste
acontecido, o rei de Portugal foi informado e teve sua culpa assumida por ter o
poder e não prestar nenhum apoio aos jesuítas para impedir tantas mortes. 

Por fim, recomendo
o filme para aqueles que ainda não o viram, pois é realmente enriquecedor.
Afirmo que é longo, (muito), e possui algumas cenas muito fortes,  mas vale a pena! Vale lembrar que os jesuítas não
ficam como os mocinhos da história, na verdade, as únicas vítimas foram os
índios que ao tentar fugir da colonização acabaram caindo nas mãos de pessoas
que só intencionavam minimizar sua cultura e identidade, levando-os para a religião,
e tornando-os leais a eles. 


(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});


Sobre a Autora

Rate this post
Compartilhe este post